fernahh.com.br

desenvolvedor e de buenas na web.

Acessando propriedades de objetos JavaScript

O JavaScript, como várias linguagens, funciona com um único fluxo de execução. Isso quer dizer que dadas as instruções, elas serão executadas em ordem e de forma contínua. Caso algo quebre no meio do caminho, a execução é interrompida. Isso pode nos ocasionar momentos desastrosos. No browser, a execução do JavaScript é compartilhada com a renderização do layout.

Para saber mais sobre fluxo de execução em JavaScript, sugiro que leia esse artigo do @jcemer no Tableless.

Uma forma de quebrar a execução, é tentar acessar a propriedade de algum valor que não é definido. Isso irá quebrar o fluxo de execução, e dependendo da posição em que está sendo executado, pode deixar o usuário sem experiência alguma.

  const obj = {}
  obj.x.y // TypeError: Cannot read property 'y' of undefined

Parece fácil prever erros como esse, mas é bem comum precisarmos consultar um valor que é definido de forma assíncrona. Além disso, em aplicações complexas não temos garantia sobre todas suas informações. Para evitar erros como esse, geralmente verificamos propriedade a propriedade:

  const obj = {}
  if (obj && obj.x && obj.x.y)
    return obj.x.y // undefined

O problema com esssa abordagem é que dependendo do nível de nesting, mais ilegível nosso código fica.

Optional Chaining

Existe uma proposta de especificação do ECMAScript para resolver esse problema. Ela se chama Optional Chaining. Em resumo, a proposta diz que o operador ?. pode ser usado para verificar se um valor existe e evitar uma quebra de fluxo.

Usando nosso exemplo, podemos verificar se x existe através do operador optional chaining.

  const obj = {}
  return obj.x?.y // undefined

É bom lembrar que essa proposta ainda está em state 0, e não é recomendada para uso.

Outras linguagens, como Ruby e C#, já possuem essa feauture. O Ruby on Rails, possui um método chamado try() , que também possui esse objetivo.

Try method

O try() method, que o Rails dispõe, pode ser usado para consultador valores públicos de um objeto. Caso ele não exista, é retornado nil . Outra característica é que ele pode ser “chained” (quem não lembra da jQuery nesse momento?):

  @obj.try(x).try(y)

Outra feature mais interessante, é que você pode usar bloco e seus parâmetros, passando esses valores para um método que pode existir ou não:

  @posts.try(:each_slice, 2) do |a, b|
    ...
  end

try.js

Inspirado por esse método, decidi implementar algo parecido em JavaScript. Publiquei a implementação em uma pequena biblioteca no NPM. Caso queira ver o código, está no GitHub.

Não há nada de mágico e inovador, a biblioteca serve apenas para momentos em que não podemos garantir o path de um objeto. Seguindo nosso exemplo, ao invés de varrer propriedade a propriedade, podemos passar o path como parâmetro para a função:

  const obj = {}
  tryjs(obj, 'y.x') // undefined

Também é possível executar uma função e passar parâmetros pra ela:

  // sem try.js
  const obj = {
    sayHello: () => 'Hello'
  }

  if (obj && (typeof obj.sayHello === 'function')
    return obj.sayHello() // 'Hello'

  // com try.js
  const obj = {
    sayHello: () => 'Hello'
  }
  tryjs(obj, 'sayHello') // 'Hello'

  // com parâmetros
  const obj = {
    add: (x, y) => x + y
  }
  tryjs(obj, 'add', [1, 2]) // 3

Quando tive a ideia da biblioteca, fui trocar uma ideia com meu amigo @rodrigowillrich. Na ocasião, ele me mostrou algumas implementações que resolvem esse problema e são elas que vamos ver agora.

Lodash e Ramda

A Lodash possui uma função chamada _.get() , que faz a consulta de um valor e retorna um valor default caso ele não exista.

  const obj = {}
  _.get(obj, 'x.y', 1) // 1

O Ramda também possui uma função que pode ser usada pra esse caso. A sintax é o contrário da implementação da Lodash:

  const obj = {}
  R.prop('x', obj) // undefined

Existem outros milhões de funções do Ramda, outras bem parecidas que podem ser usadas também, dependendo do problema que você precisa resolver.

Lenses

Lenses é um conceito da Programação Funcional. De forma simplória, podemos dizer que lenses são getters/setters funcionais. Isso tem tudo a ver com o assunto desse artigo, onde tentamos acessar propriedades de objetos. Uma implementação simples, seria algo como:

  const lens = (getter, setter) => {
    return ({
      get: obj => getter(obj),
      set: (val, obj) => setter(val, obj),
    })
  }

Essa função, lens() irá nos retornar um objeto com função de get e set. Feito isso, podemos acessar e mudar valor de objetos sem precisar “mutar” nosso objeto nativo. Isso faz bastante sentido quando lidamos com imutabilidade. No exemplo abaixo, o objeto R representa o ramda.

  const lens = (getter, setter) => {
    return ({
      get: obj => getter(obj),
      set: (val, obj) => setter(val, obj),
    })
  }
  const view = (lens, obj) => lens.get(obj)
  const set = (lens, val, obj) => lens.set(val, obj)

  const obj = { x: 1 }
  const xLens = lens(R.prop('x'), R.assoc('x'))

  const newObj = set(xLens, 3, obj)
  newObj.x // return 3
  obj.x // return 1

Essa explicação é extramamente básica. Sugiro que para se aprofundar no assunto, dê uma lida no artigo do @sharifsbeat, A Introduction into Lenses in JavaScript, onde há outras links e referências.

Conclusão

Acessar e como acessar propriedades em JavaScript já possui várias soluções. O interessante aqui é acompanhar e saber qual vai ser a implementação que o futuro da linguagem irá seguir. Como outras inúmeras features, acesso a propriedades de objetos pode fazer parte de um marco importante para o JavaScript, onde saberemos se ele continuará características funcionais ou OOP.