fernahh.com.br

desenvolvedor e de buenas na web.

Componentes CSS: como desenvolver pensando em reuso

A palavra “componente” nunca foi tão usada na web como nos últimos meses. Na era de bem-sucedidos frameworks e bibliotecas como React e Angular2, que se baseiam nesse conceito, é cada vez mais necessário investir tempo em como arquitetar nosso CSS. A velha e boa técnica de dividir para conquistar mais do que nunca nos é uma boa opção.

Para definir um componente, ele deve ser auto-suficiente, capaz de encapsular funcionalidades e permitir uma API de acesso. Pensando do ponto de vista de um seletor CSS, vamos exemplificar com um componente de botão:

  .Button {
    display: block;
    max-width: 300px;
    background-color: black;
    color: white;
  }

Levando em conta a definição literal, podemos dizer que esse componente é auto-suficiente, afinal, se usarmos somente ele teremos um estilo de botão. Porém, não temos uma API de acesso bem definida, com entrada e saída. Problemas como esse são comuns e inevitáveis com CSS puro. Eles são ainda mais frequentes quando precisamos lidar com aplicações complexas.

Uma das formas encontradas para contornar nossos problemas com CSS foram metodologias de escrita, como BEM, OOCSS, SMACSS e DRYCSS. Mesmo assim, elas são facilmente burláveis, afinal não há como controlarmos algo em uma linguagem que não nos lança exceção.

Antes de continuar a leitura, recomendo que entenda como funciona a especificidade de seletores e henraça em CSS.

Escopo global, refactoring e estados

Se pudéssemos elencar três problemas sérios com nossas queridas folhas de estilo, podemos dizer que são: escopo global, difícil de refatorar e custoso para lidar com estados.

Escopo Global é de longe algo que sabemos que é ruim. Se você visitar a página sobre boas práticas JavaScript no w3fools, irá ver que funções e variáveis globais são ruins. Com CSS não é diferente. O problema é que quando pensamos em uma página web, logo imaginamos uma árvore. Porém, se levarmos em conta o CSSOM, veremos que todos os seletores fazem parte do mesmo escopo:

escopo global de seletores

Isso é a cascata. Um seletor filho sempre irá herdar os estilos do pai. Por anos convivemos com ela e aprendemos a tirar proveito disso. O Bootstrap, framework CSS mais bem sucedido até então, faz uso bem inteligente do efeito cascata. Porém, em um cenário que desejamos encapsular funcionalidades, o efeito cascata pode ser um grande inimigo. Voltando ao nosso componente de botão, vamos entender porque a cascata pode ser prejudicial há um componente.

Vamos analisar o exemplo abaixo:

See the Pen EPMYMy by fernahh (@fernahh) on CodePen.

Nosso componente .Button herdou o estilo da propriedade text-transform do componente .Dropdown e seus filhos. Dessa forma podemos provar que o componentes com CSS puro não encapsulam estilo, afinal eles “vazam” para outros componentes de nossa página.

O segundo problema que temos com CSS é refactoring. Através do httparchive.org podemos analisar que as folhas de estilo só crescem. Em cinco anos, pulamos de arquivos de 10kb para 80kb. Obviamente precisamos levar todo o contexto do crescimento da web, mas também devemos ser sinceros e admitir que é sempre mais fácil adicionar uma nova regra ao refatorar algo antigo. Quem nunca adicionou uma nova regra ao markup ao invés de refatorar o que existe que atire a primeira pedra.

Uma das soluções nativas para resolver o problema com escopo de seletores é o Shadow DOM. Resumidamente, ele nada mais é uma API que nos permite criar elementos de DOM independentes e isolados do restante da página, ou seja, uma DOM isolada dentro da própria DOM.

As vantagens dessa abordagem é que faz parte de um pequeno grupo de tecnologias que possuimos para isolar marcação, comportamento e estilo. Além disso, componentes criados com Shadow DOM podem receber parâmetros. Porém, nem tudo é perfeito. O isolamento de escopo que nos permite criar widgets como a tag <video> e <audio>, é prejudicional falando de estilo. Isso porque a cada Shadow DOM, sua página perde o estilo. Por final, sem contar que não funciona no IE/Edge, Firefox e Safari e não resolve problemas com estado.

Falando em estado, esse parece ser nosso grande desafio. No JavaScript estamos carecas de saber que é custoso manipularmos o DOM. Quando lidamos com estado, é isso que precisamos fazer: adicionar e remover estilo dependendo do estado de nosso componente. Pensando em resolver esse problema, na CSSConf de 2015, Colin Megill apresentou uma palestra com um nome polêmico: Inline Styles are About to Kill CSS. Recomendo você assistir, no mínimo você ficará em choque com o turbilhão de informações ou irá achar que o cara é maluco. Enfim, essa talk foi importante no ponto de levantar diversas discussões na comunidade web sobre a tal “morte das folhas de estilo”.

Inline Styles surgiu com o React, que por sinal é a biblioteca que melhor lida com estados na atualidade. Desse ponto de vista, faz muito sentido, afinal a performance será bem melhor, temos regras encapsuladas e faz todo sentido quando lidamos com visualização de dados. Porém temos outros problemas, principalmente porque não há como cachear estilo inline.

Ainda antes dessa palestra do Megill, um dos engenheiros do Facebook, Christopher Chedeau cutucou diretamente em nossas feridas, principalmente no slide abaixo:

CSS Problems

Esse slide foi tão importante que, provavelmente, irá mudar nossa forma de estilizar com CSS. Uma das formas disponíveis que surgiram são os CSS Modules.

CSS Modules: o futuro passa por aqui

Desde a revolução dos pré-processadores, não tivemos nenhuma grande iniciativa que nos fizesse repensar nossa forma de escrever CSS. Mas isso pode mudar quando falamos de CSS Modules.

Resumidamente, podemos definir essa tecnologia como folhas de estilo que possuem escopo local. Aqui já podemos concluir que precisamos de uma tarefa de build, pois CSS Modules não funcionam nativamente.

Na prática, supomos um cenário com nosso mesmo componente de botão:

  /* components/button.css */
  .Button {
    display: block;
    max-width: 300px;
    background-color: black;
    color: white;
  }

  .danger {
    background-color: red;
  }

Para usar esse componente, precisaremos importar esse módulo em um componente JavaScript:

  /* components/button.js */
  import button from './button.css';

  buttonElem.outerHTML = `<button class=${button.danger}>Enviar</button>`

Nossos output de CSS será como no snippet a seguir:

  .components_Button__danger__abc5436-20WEds96_Ee1ra54 {
    display: block;
    max-width: 300px;
    background-color: red;
    color: white;
  }

Através desse breve overview podemos notar que há uma mudança de workflow na forma de desenvolvermos CSS. O nome gerado no output nos leva a conclusão que precisamos de sourcemaps para debugging. Além disso, você deve estar se perguntando:

“Como faço para usar herança?”

Podemos definir regras globais com CSS Modules, através da declaração com a seguinte sintaxe:

  :global(.Button) {
    display: block;
    max-width: 300px;
    background-color: red;
    color: white;
  }

Isso quer dizer que o módulo .Button estará disponível para todos os módulos de nossa aplicação. Além disso temos a keyword composes, que receberá um módulo. Se você já captou a ideia, deverá ter percebido que funciona parecido com o @extend do Sass.

  .Button_group {
    composes: button from '../componentes/button.css';
  }

Além disso também podemos gerenciar dependências de componentes através de módulos JavaScript.

Conclusão

Até os mais puristas (me incluo nesse grupo) precisam dar o braço a torcer e aceitar que apenas HTML, CSS e JavaScript não são mais suficientes para desenvolvermos aplicações ricas. A web evoluiu a um nível que necessita de ferramentas auxiliares no dia-a-dia do desenvolvedor front-end. CSS Modules é mais uma delas.

Precisamos testar, arriscar e utilizar isso em nossos produtos. Apenas dessa forma poderemos dizer se algo irá nos servir ou não.

Ah, e pra não esquecer, sempre aposte em ideias e iniciativas da comunidade.