fernahh.com.br

desenvolvedor e de buenas na web.

ES2015 não é mais opcional

Setembro de 2016. Há pouco mais de um ano saiu o release oficial da 6ª edição do ECMAScript (ou ES6, como preferir). Apesar de parecer muito tempo, a adoção pelo padrão na comunidade JavaScript não é absoluto.

“Choice”, foto do Michael Endy

A adoção a novas tecnologias na web sempre foram um tabu. As APIs do HTML5 ainda são questionadas devido ao suporte dos browsers. Porém, a comunidade sempre buscou caminhos que facilitassem a vida do desenvolvedor sem deixar de suportar browsers mais antigos, afinal, a web nasceu para ser inclusiva. Foi assim que surgiram projetos fantásticos como Modernizr e HTML5Please.

Antes dos primeiros anúncios de novas features do ES2015 surgiram várias ferramentas que tentavam resolver problemas triviais que o JavaScript não resolvia. Podemos citar aqui duas tecnologias que mais se popularizaram com o mesmo propósito, TypeScript e CoffeeScript. Além dessas, também surgiram inúmeros frameworks e bibliotecas que tem o mesmo objetivo: facilitar a vida do desenvolvedor JavaScript.

Assim como aquele ditado que diz “há males que vem para o bem”, tenho a impressão que ocorreu o inverso na comunidade web. Novas tecnologias que vieram para “o bem” acabaram criando uma barreira enorme entre a adoção de novas tecnologias e desenvolvedores puristas. Infelizmente, nesse balaio enorme de bibliotecas e frameworks, colocaram junto a nova versão do ECMAScript. O que melhorou absurdamente os valores da linguagem acabou sendo encarado como um luxo. Porém, adotar o novo padrão do JavaScript não é sobre opção, é sobre permitir que seu produto tenha a possibilidade de um código mais legível, menos vulnerável a bugs e livre de hacks para contornar features básicas que qualquer linguagem de programação precise.

Não vou mostrar e ensinar como cada feature da ES2015 funciona. Pra isso existem inúmeros posts e bibliografias ricas sobre o assunto. Mesmo assim, não posso deixar de citar algumas melhorias indispensáveis.

Hoisting, variáveis e funções

Simplicidade é uma das melhores características de que um código está bem escrito. Para ser simples, um código deve ser legível. Em contrapartida, a forma de declararmos variáveis em JavaScript sempre foi confusa. No ECMAScript 2015 a keyword var não faz mais sentido e já é considerada obsoleta por muitos autores. Vou explicar resumidamente o porquê.

Como todo desenvolvedor JavaScript deve saber, toda função e variável são elevadas ao topo do escopo na hora da execução. Para corrigir esse comportamento em variáveis, o ES2015 introduziu outras duas formas de trabalharmos com valores, const e let . Ambos não são elevadas ao escopo superior e criam um novo escopo dentro de blocos condicionais ou laços.

No caso de funções, além de ter sua declaração elevada, o seu corpo também é elevado. Mas o maior problema sempre foi o this. Ao usar funções como callback, o this sempre nos causou problema por não executar no contexto que imaginamos. Com Arrow Functions a função executa no contexto do this, que é geralmente o que queremos. Na prática, podemos evitar hacks como var self = this.

Modularização

JavaScript nunca teve um sistema de módulos nativo. Para resolver esse problema foram criados diversos padrões para reutilização e manutenibilidade da nossa base de código. Além de padrões, também surgiram especificações robustas como AMD (popularizado pelo RequireJS) e CommonJS, que foi adotado pelo NodeJS.

No ECMAScript 6 ganhamos um sistema de módulos nativo. Sem dúvidas é o maior ganho da linguagem nessa especificação. Além da sintaxe expressiva, módulos resolveram um dos principais problemas em aplicações JavaScript: gerenciamento de pacotes.

Apesar do NPM ser um gerenciador de pacotes maduro, ele não é bala de prata para aplicações que não usam um sistema de módulos robusto. Para resolver esse problema usamos o Bower por muito tempo para gerenciar dependências front-end. Particularmente nunca vi sentido em usar dois gerenciadores de dependência em uma mesma aplicação, mas essa foi a forma com que resolvemos esse problema antes de 2015.

Hoje em dia, usando um module loader como webpack, conseguimos suprir necessidades de aplicações JavaScript usando apenas NPM. Não é à toa que bibliotecas como lodash não tem versões oficiais no Bower.

Transpiladores não são um problema

Um dos argumentos mais usados por quem não quer aderir ao ES2015 são os transpiladores, em outras palavras, o Babel. Porém, poucos devem saber que todas as engines modernas compilam JavaScript para JavaScript. Ou seja, apesar de estranho, não existe mais JavaScript interpretado.

Outra razão para apostar nossas fichas no Babel é observando repositórios de empresas que possuem grandes aplicações web, como Airbnb, Facebook, Netflix ou Spotify. Se os produtos dessas empresas já resolvem seus problemas com ES2015, por que não resolveria o seu?

Conclusão

Ainda temos um longo caminho tratando-se de JavaScript. Faça benchmarks com outros desenvolvedores ou empresas que possuem produtos web e você poderá tirar suas próprias conclusões. Diferentemente das inúmeras bibliotecas e frameworks que não passam de hypes, a evolução do JavaScript resolve problemas do mundo real. Se você continuar escrevendo JavaScript como escrevíamos até 2015, você estará escrevendo código novo que será legado logo ali na frente… amanhã.