fernahh.

Reeducação financeira sem chatice

Somos criados para ser crianças eternas. O sistema faz a maioria se comportar como criança.

Na escola, somos ensinados não para adquirir conhecimento e cultura, estudamos para adquirir conhecimento para o vestibular. Depois, fizemos a faculdade em busca da estabilidade financeira, não pelo prazer de fazer o que gosta.

Buscamos estabilidade financeira não para evoluir e sim para satisfazer nossos desejos de criança mimada.

Aprendendo a dar valor ao dinheiro

Se identificou com tudo isso que falei? Que pena.

Mudança de relacionamento

O dinheiro pode ser seu melhor amigo, mesmo que você tenha pouco. Planeje-se para ser rico. Não estou falando de planejar sua vida para andar de iate e praticar hipismo. A forma mais fácil de ficar rico é não precisando de dinheiro. Recomendo que conheça leia o relato do @gserrano de como ele ficou rico.

Não adianta você ver o dinheiro como um amigo ausente, aquele cara que nunca está com você na hora em que precisa.

Como começar a planejar sua vida financeira

É difícil criar hábitos que você nunca teve. Então, vai com calma. Eu por exemplo, ainda estou me planejando, tentando achar métodos e dicas que realmente sejam válidos para melhorar minha vida financeira e foi isso que me motivou escrever esse post: ajudar quem ler a também melhorar a relação com o bolso.

Pense nos seus custos

Qual foi a última vez que você analisou o que adquiriu nos últimos 12 meses? Faça isso e responda as seguintes questões para si mesmo:

  • Quanto dessa grana foi investida em coisas que te agregam e te fazem evoluir (viagens, cursos, etc)?
  • Quanto você conseguiu guardar para aplicar em algo com custo maior?

Respondida as questões, faça um balanço você mesmo. Foi assim que consegui ver como eu estava gerenciando meu dinheiro da pior forma possível.

Defina objetivos

Divida objetivos em três categorias, curto, médio e longo prazo. Feito isso, guarde dinheiro para realizados. Mas não é simples assim, eu sei. Uma dica muito válida é dividir cada objetivo em pequenas metas. Por exemplo, se você quer viajar e precisa de 5x, divida os custos. Primeiro compre a passagem (2x), depois reserve o hotel (3x) e assim por diante. Tudo fica mais fácil quando conseguimos “palpar” o que foi investido.

Seja você o seu próprio crédito

Essa é uma das principais lições! Para ter crédito próprio é preciso guardar dinheiro. É chato e difícil, eu sei, mas é preciso. Converso com bastante amigos e a maioria deles fala a mesma coisa: “não consigo guardar” ou ainda pior “pra quê guardar dinheiro?”.

Nunca se sabe quando você vai ter um gasto alto ou simplismente não receber seu salário. E de onde você vai tirar grana? Cartão de crédito? Banco? Não. Nenhuma dessas alternativas são boas, pelo contrário, são caras. Aqui que entra aquelas moedas que você guardou durante meses.

Anote tudo o que é gasto

Dica clichê mas extremamente importante. Anote tudo que você gasta e divida os custos em variáveis fixos. Não vale mentir pra si mesmo e nunca deixe de anotar qualquer gasto que seja. Se você não anotar uma bala que seja, já é um passo pra tudo ir pro ralo. Ah, e se você falhar, tente de novo.

Tudo anotado, Fernahh, e agora?

Só de ver anotado você já consegue ter uma ideia de como é organizado (ou não) financeiramente.

Analise os custos fixos e veja o que pode ser cortado. Aí você pensa, “pô, não tem o que cortar”, então saca o relato do @eduardoamuri:

Durante 2011, assinei por 12 meses a revista “Pequenas empresas, grandes negócios”. Paguei 6 parcelas de R$23,00. A principio, era uma economia, afinal, se eu comprasse cada exemplar separadamente, pagaria R$ 152,00. O ponto é que das 12 edições que recebi, li 5. As outras 7 ficaram jogadas, ou porque não me interessaram tanto, ou porque estava em um mês extremamente atarefado no trabalho.

Em 2012, fiz diferente. Cortei as assinaturas e resolvi que compraria os exemplares que me interessassem. Até agora, comprei 4 edições da Pequenas Empresas, Grandes Negócios. Gastei, com elas, R$ 43,60. Além delas, comprei 2 edições da Você S/A que me interessaram quando visitava a banca. Ao todo, foram gastos R$ 69,40. Li mais do que em 2011 e gastei menos da metade.

Dá para aplicar o mesmo raciocínio com academias, mensalidades de cartão de crédito, mensalidades de celular, dentre (muitos) outros.

Não preciso falar mais nada, né?

Outra dica boa é pesquisar a concorrência dos serviços/produtos relacionados aqui e veja se é mais barato.

Em relação aos custos variáveis, transoforme eles em custos fixos. Foi o que mudou muito pra mim. Eu ia no mercado 3, 4, as vezes 5 dias por semana. Isso está errado! Indo pouco à lugares que você gasta dinheiro, menos gasto desnecessário.

Moçada, é isso. Posso dizer que gastando meu dinheiro certo meu humor mudou 200%. Espero que consigam também :)

Todas essas dicas e ideias tirei da série sobre planejamento financeiro da Papo de Homem:

http://papodehomem.com.br/dinheiro-um-outro-modo-de-usar/

http://papodehomem.com.br/planejamento-financeiro-um-comeco-para-quem-nao-sabe-por-onde-comecar/

http://papodehomem.com.br/planejamento-financeiro-o-que-todo-mundo-sabe-ou-pensa-que-sabe/

http://papodehomem.com.br/planejamento-financeiro-quatro-atitudes-para-serem-tomadas-hoje/